História

O Sindicato Rural de Três Lagoas

O Sindicato Rural de Três Lagoas é entidade sindical de primeiro grau, para fins não econômicos, com prazo indeterminado de duração, sede e foro na cidade de Três Lagoas, no Estado de Mato Grosso do Sul, na Avenida Ranulpho Marques Leal, n. 1850.

O Sindicato Rural de Três Lagoas é constituído para fins de coordenação, proteção e representação legal de sua categoria econômica, relacionada ao ramo da agropecuária, com o intuito de colaborar com os poderes públicos e demais associações, no sentido da solidariedade social e da sua subordinação aos interesses nacionais.

Ranulpho Marques Leal, o fundador

Ranulpho Marques Leal (nascido em Três Lagoas em 25 de maio de 1916) foi pecuarista, político e prefeito de Três Lagoas. Filho de Benevenuto Garcia Leal e de Maria Marques Leal. E, assim, neto de Protázio Garcia Leal – um dos fundadores de Três Lagoas – e membro da família Garcia Leal. Casou-se com Marina de Oliveira Leal, de cujo enlace nasceram os filhos Ajadil e Adair de Oliveira Leal.

Fez seus primeiros estudos em Três Lagoas, seguindo depois para Porto Alegre (RS), onde estudou no Colégio Militar, bacharelando-se em Ciências e Letras na turma de 1936. Eleito prefeito de Três Lagoas para o quadriênio de 1955 a 1959, tomou posse em 31 de janeiro de 1955 e governou durante todo o mandato até janeiro de 1959. Também foi deputado estadual no período de 1959 a 1963, tendo sido reeleito para a legislatura de 1963 a 1967. Como pecuarista, foi um dos fundadores e o primeiro presidente do Sindicato Rural de Três Lagoas, em 1953 (na época associação rural), vaga que ocupou por quatro mandatos.

Conquistou uma vaga da Câmara de Vereadores de Três Lagoas para a legislatura do período entre 1979 e 1982, não tendo concluído o mandato devido ao seu falecimento em 11 de novembro de 1980, aos 64 anos.

Doação e Construção do Parque

“Joaquim Marques de Souza”

O local onde hoje encontra-se o Parque de Exposição Joaquim Marques de Souza, sede do Sindicato Rural de Três Lagoas, com cerca de 7 hectares, era um loteamento da Fazenda Santa Elena que funcionou como um canteiro de obras da Noroeste do Brasil e, após, foi desapropriado e doado às famílias que viviam ali em decorrência das obras da estrada de ferro. Tempos depois essas famílias venderam a área para o Sr. Joaquim Marques de Souza, que doou parte do quarteirão para o Sindicato Rural. A escrituração da doação deu-se de fato em 30 de março de 1971.

A doação da área aconteceu no mandato de Ranulpho Marques Leal. Depois, veio o primeiro barracão doado pelo então prefeito João Dantas Figueiras. Na gestão de Ranulpho iniciou-se então a construção do parque, que recebeu posteriormente importantes obras no mandato de Orestes Prata Tibery e demais presidentes que o sucederam, inclusive com doação dos pavilhões, por diversos pecuaristas, que hoje carregam os nomes dos respectivos doadores.

De Associação Rural a Sindicato Rural de Três Lagoas

“As origens de um povo são contadas por aqueles que preservam sua história”.

A frase poderia estar inscrita em qualquer lugar, mas foi reservada para a placa de inauguração da Praça José Carlos de Souza (Cel. Bitão), em Três Lagoas, onde foi instalada a Feira de Gado em 1920 e o local ficou conhecido pelo obelisco em homenagem às comitivas que proliferavam na época da colonização da cidade. O emblemático monumento, tombado como patrimônio histórico da cidade em 1982 pelo prefeito Lúcio Queiroz Moreira, foi o que sobrara da antiga feira. A frase foi emplacada após a revitalização do local, em 2008, pela então prefeita Simone Tebet.

Nas páginas seguintes, esta Edição Especial do Pauta Rural, informativo oficial do Sindicato Rural de Três Lagoas, narra um pouco desta trajetória dos pioneiros que colonizaram Três Lagoas, a partir da inserção da pecuária na região, numa linha do tempo em que paralelamente ocorre a fundação da Associação Rural de Três Lagoas, há 60 anos, em 2 de maio de 1953, numa sala do prédio da Prefeitura de Três Lagoas, na Praça Santo Antônio, sob a presidência de Ranulpho Marques Leal. As informações dos quadros das diretorias que assumiram a entidade, que em 1967 se transformou em Sindicato Rural de Três Lagoas, igualmente sob a presidência de Ranulpho, foram extraídas das atas arquivadas pela entidade desde a sua fundação. E outro quinhão desta história é contada pelos próprios presidentes, diretores e colaboradores que passaram pelo sindicato.

Desde os idos de 1950, tempos do presidente Getúlio Vargas, do governador Fernando Corrêa da Costa e do prefeito Miguel Nunes, a pecuária cresceu e alavancou o crescimento de toda a região, demarcando um território cujas barreiras foram superadas e Três Lagoas consolidou-se como pólo produtor de carne e de animais zebu de alta linhagem genética. E a Exposição Agropecuária de Três Lagoas, inaugurada sob a presidência de um dos mais importantes criadores de nelore da região, o ex-presidente Orestes Prata Tibery, transformou-se na vitrine desta sólida estrutura representada pela pecuária, que alicerçou a base econômica de Três Lagoas.

Do gado à celulose, a atividade pecuária cedeu áreas para o plantio do eucalipto, implantando um novo e importante ciclo econômico na região. A atividade adaptou-se à nova realidade, desenvolvendo-se a partir de múltiplas tecnologias. Ganhou novos mercados, integrou-se à agricultura e à silvicultura e o município continua transformando o agronegócio numa grande, pulsante e oportuna usina geradora de riquezas.

Que não para de crescer. Que não para de se diversificar.

historia-foto-2